Pedimos para o pessoal do Gorila App contar para a gente como tem sido a experiência de construir seu Marketing de Conteúdo do zero. Faz seis meses que eles estão no processo e os aprendizados têm sido muitos! Confira aqui o que o responsável pelo Marketing, Otávio Augusto, compartilhou sobre essa experiência e aprenda com cada erro e acerto deles!

Você é empreendedor, e está montando uma empresa enxuta e escalável que pretende vender no mundo todo? Nós também! E temos aprendido muito durante esse processo entre o momento ‘zero’ e o ‘um’. Queremos compartilhar com você como foi o nosso caminho pra chegar até aqui e o nosso momento atual: o de fortalecimento da nossa presença digital. Escolhemos fazer isso através do marketing de conteúdo.

Neste post, vamos contar quais foram os principais motivos que levaram o Gorila a focar nessa área, mesmo com uma equipe enxuta.

Por que decidimos começar a fazer Marketing de Conteúdo para nossa startup?

Desde o início da nossa startup, o Gorila App, sempre esteve muito clara a importância da estratégia de marketing de conteúdo para o nosso blog. Sabíamos que dando a ela a devida atenção e mantendo a cadência e qualidade, geraríamos ótimas oportunidades de negócios.

Nossos principais objetivos quando iniciamos nossa estratégia de Marketing de Conteúdo eram:

  1. Atrair potenciais clientes ao nosso site;
  2. Gerar leads;
  3. Aumentar a notoriedade da marca;

Assim que entramos no mercado, notamos bastantes players falando sobre os temas que envolviam nossa solução (experiência do cliente, pesquisa de satisfação etc) mas os conteúdos eram sempre ‘mais do mesmo’. Isso nos fez perceber que havia um grande mercado a ser educado. Tendo em vista nossos objetivos iniciais, alinhados a nossa dedicação a sempre testar os melhores modelos, elaboramos uma estratégia própria. Basicamente o que decidimos fazer foi:

  • Criar conteúdos sucintos sobre os assuntos do interesse da nossa persona;
  • Buscar atingir pessoas que estão fazendo suas leituras diárias após o horário de almoço.

No início estávamos entusiasmados com essa ideia porque fazia sentido (ou ao menos parecia).

Como você já pode imaginar, tivemos de recalcular a rota diversas vezes e alterar nossa estratégia de conteúdo para testar diferentes hipóteses. Então aqui vão nossos maiores aprendizados!

#1 Quando se trata de Marketing de Conteúdo, o tamanho dos conteúdos importa!

Começamos com alguns artigos de 300 a 500 palavras, no máximo, com o objetivo de passar a mensagem em um curto período de tempo.

Nossa ideia inicial era que fossem conteúdos práticos, possíveis de serem aplicados por nossa audiência com facilidade e agilidade.

Porém, não obtivemos os resultados que esperávamos, então fomos tentar entender o motivo. Na realidade, o que acontece é que para o Google (e demais sites de busca), entender que o conteúdo tem valor para o usuário, é necessário usar de 1000 a 2000 palavras. Somente assim as ferramentas de busca o consideram profundo o suficiente, e o indexam nas primeiras páginas.

Faz sentido, não é? Afinal, o Google quer que as pessoas usem sua ferramenta para busca – mas, para manter-se top of mind, ele precisa manter a assertividade dessas buscas. Para manter a assertividade, por sua vez, é essencial que os conteúdos realmente sejam úteis para o usuário! E é mais provável que conteúdos profundos sejam úteis, ao contrário de conteúdos curtos e (provavelmente mais superficiais), certo?

Bom, é claro que tivemos de admitir que o Google tinha razão nessa escolha. Como a nossa decisão inicial de fazer os conteúdos curtos não gerou os resultados que imaginávamos, tivemos de nos adaptar. Logo, reformulamos os artigos enxutos, dando mais profundidade a cada um deles. Com isso, o blog começou a atingir mais leitores de maneira orgânica, mês a mês.

#2 Não é necessário produzir todo o conteúdo internamente, mas é essencial acompanhar!

Percebendo que os conteúdos precisavam ser mais extensos, entendemos que não conseguiríamos manter a própria estratégia rodando sozinhos. Simplesmente não tínhamos braços internos para manter uma produção de conteúdo de qualidade com a frequência necessária.

Foi então que começamos a entrar em contato com blogs “gringos” e postar artigos que falavam sobre o mesmo assunto do nosso blog.

O resultado? A princípio, conseguimos fazer algumas parcerias para adaptação de conteúdo que nos pareciam interessantes. O único porém é que esse conteúdo externo não tinha a nossa pegada. Não era um artigo escrito por quem está dentro do Gorila, vivendo o dia a dia da empresa, as dificuldades do cliente e explorando o melhor dessas situações.

Ao interagir com esses blogs gringos e firmarmos parcerias, percebemos que o mercado americano é muito diferente do brasileiro. Resumo da história: tivemos que dar muita atenção para adaptar todo o primeiro artigo fruto da parceria, e acabou dando o mesmo trabalho de produzir um conteúdo novo. Eita!

O aprendizado que ficou é que não adianta encomendar artigos de pessoas ou empresas que não vivem o dia a dia da empresa. Ao fazer isso, você acaba vivendo a ilusão de que esses artigos serão do interesse da sua persona – quando na verdade eles provavelmente precisarão ser muito adaptados até ficarem com a pegada que você busca.

Para evitar esse tipo de situação, é ideal investir em parcerias cujo estilo de escrita já faça sentido com o seu, e cujo know-how possa ser adaptado ao que você deseja oferecer dentro da sua estratégia de conteúdo. Mas não é só isso: o mais importante dessas parcerias é o acompanhamento do desenvolvimento do conteúdo. Ou seja, é preciso investir tempo durante o processo de criação para dar feedbacks e conectar o texto de modo que faça sentido com a sua estratégia. Não há atalho.

#3 Testamos coproduzir conteúdo em equipe – e a experiência nos surpreendeu!

Percebemos que precisávamos criar conteúdos de calda longa, mas a pergunta era: como? Com uma equipe enxuta, e cada um de nós focado em diversas tarefas diárias, pedir que alguém parasse o que estava fazendo para focar em produzir um conteúdo aprofundado, parecia um sonho impossível!

Por isso, decidimos testar a cocriação de um conteúdo. Ou seja, envolver todos nós na criação de apenas um artigo. E não é que deu certo?

Bom, como todos os integrantes do time já escreviam artigos para o nosso blog, tivemos a ideia de fazer um brainstorm e criar o nosso primeiro material em conjunto. O assunto escolhido foi um guia cauda longa, focado em práticas para varejo. Cada um de nós ficaria responsável por contribuir com trechos e fazer edições.

Montar um conteúdo compartilhado foi uma experiência bem diferente para nós. Por ser a primeira vez, e por termos outras tarefas diárias, tivemos de nos organizar bem. Isso nos exigiu:

  • Dedicação para conseguir entregar os tópicos/trechos;
  • Compromisso com os prazos, para não comprometer a equipe;
  • Colaboração entre os membros do time;
  • Conhecimento para encaixar as informações dentro do artigo de forma coesa.

O fato de poder incluir a visão de diferentes times enriqueceu notoriamente esse conteúdo! Afinal, colocar no estudo o ponto de vista do pessoal do desenvolvimento, do produto, do marketing, e o pessoal de vendas, nos permitiu gerar um conteúdo muito rico. O resultado foi um conteúdo que fez muito sentido para o público-alvo e foi sucesso em atração de visitantes para o site. Bingo!

Se você quiser conferir como ficou esse conteúdo, aqui está.

Será que você também não está com uma ideia de conteúdo super legal empacada aí? De repente, envolver mais pessoas na criação desse conteúdo pode ser a chave! Quando mais aprofundado você quiser que esse conteúdo seja, mais interessante se torna incluir pessoas de diferentes times – porque cada um agrega com sua visão do assunto. Caso o assunto não exija tantas visões diferentes, sugira uma colaboração entre duas pessoas, assim, uma pessoa puxa a outra em relação aos prazos e, talvez aquela ideia empacada acabe finalmente saindo do papel! A própria Contentools faz alguns conteúdos cocriados de vez em quando, veja só este exemplo.

#4 Publicação de conteúdo em diferentes canais aumenta a espessura do seu funil!

Após arrumar a casa (reestruturar os artigos do blog), definimos a criação de conteúdos para diferentes canais de contato com o mercado. Para isso, planejamos a criação de e-books e uma série de vídeos sobre métricas de pesquisa no YouTube. Queríamos ver o impacto que essas ações iriam causar.

Nesse período, os materiais começaram a gerar mais tráfego orgânico qualificado para o site, que, por sua vez, convertiam em trials para o software da empresa.

Eureka!

Com esses materiais, conseguimos gerar um bom número de leads, principalmente comparado aos meses anteriores. Então, percebemos que criar conteúdos ricos, que incentivam a conversão , funciona!

De qualquer forma, essa criação de conteúdo interno é muito trabalhosa, então, mesmo percebendo que esse caminho do marketing de conteúdo com criação de conteúdos ricos dava certo, continuamos nossa empreitada. Nosso objetivo era encontrar alguma hack que nos ajudasse a trazer tráfego qualificado, exigindo menos dedicação da nossa equipe.

#5 Seria co-marketing o hack que procurávamos?

Com o desafio de bater todas as metas de conteúdo, o jeito foi buscar algumas alternativas paralelas. Nesse momento acabamos nos deparando com o conceito de co-marketing.

Em muitas ocasiões, é necessário somar forças para atingir os resultados esperados. Começamos, então, a mapear empresas, e montamos um roadmap de conteúdos em parceria. Hoje, boa parte de nossos conteúdos são de guest posts e conteúdos de terceiros, mas mantemos o acompanhamento para não perder a autenticidade. De qualquer forma, ainda produzimos conteúdos próprios.

Vimos que o Co-Marketing possui vantagens que podem impactar de uma forma muito positiva cada campanha de marketing. E se funciona para nós aqui no Gorila App, acredito que pode funcionar aí na sua startup também! Você já testou? Essa estratégia é uma das melhores coisas que você pode fazer para ter resultados rápidos, duradouros e econômicos.

Agora é a sua vez!

As possibilidades são muitas, não importa o seu segmento. Testar, analisar resultados e testar de novo são a chave para entender o que funciona melhor para você! Que tal experimentar esse formato que deu tão certo para a gente aqui no Gorila? Depois conta para a gente como ficou e quais foram os resultados obtidos!

De qualquer forma, antes de começar a criar conteúdo e fazer um co-marketing, é de extrema importância entender como esse conteúdo será usado, seu objetivo e quais serão os indicadores de sucesso. Por isso, criar uma estratégia de marketing de conteúdo é necessário para definir todos esses aspectos para que você tenha bons resultados. Então, se você ainda não completou essa etapa, já sabe por onde começar!

Também recomendamos para você:

Sobre o Gorila App

O Gorila é uma plataforma completa, integrada e automatizada para gestão da satisfação de clientes e colaboradores, que ajuda as empresas a antecipar as necessidades dos clientes e a adaptar suas organizações para melhor atendê-las.

Através do método de pesquisa, e acompanhamento, o Gorila busca desmistificar o tabu de questionários gigantes e conhecimento analítico, pensado para pessoas que procuram extrair o máximo de informações, sem um conhecimento científico.

Este artigo foi escrito por Otávio Augusto, Responsável pelo Marketing do Gorila App.

Espere! Não esqueça de assinar nossa newsletter

Acesse conteúdo premium sobre marketing de conteúdo:

Suas informações de contato nunca serão usadas para enviar qualquer tipo de SPAM.